POLICIA

Polícia Civil vai aguardar laudo da perícia para concluir investigação da morte de homem que reagiu à prisão
Horas antes de ser morto, Darlan teria tido um surto psicótico durante a madrugada desta quinta-feira 30




Homem foi morto após surtar e matar a avó (Arquivo)

Policiais da Delegacia de Homicídios (DH), em Rio Largo, Região Metropolitana de Maceió (RMM), vão aguardar a conclusão da perícia do Instituto de Criminalística (IC) para saberem detalhes técnicos de como aconteceu a invasão de equipes do 8º Batalhão da Polícia Militar (8º BPM) a casa onde morava Darlan Wilian Chaves Almeida da Silva, 36, que terminou alvejado e morto após, supostamente, ter reagido a prisão.

Horas antes de ser morto, Darlan teria tido um surto psicótico durante a madrugada desta quinta-feira 30 e matado a avó a facadas.

Os dois moravam em uma casa humilde no Conjunto Margarida Procópio, e os gritos da anciã chamaram a atenção dos vizinhos que pediram ajuda a PM.

Ao chegarem ao local os militares teriam encontrado as portas da casa fechadas, havendo a necessidade de arromba-las.

Dentro do imóvel, os policiais encontraram Darlan nervoso e segurando uma faca e fora de controle teria investido contra os militares que foram obrigados a se defenderem usando balas de borracha.

Ainda conforme a versão policial, Darlan continuou agressivo e se utilizando da faca voltou a investir contra os militares que tiveram de usar arma de fogo para impedir de serem atingidos. Ferido, ele foi levado para o hospital da cidade onde morreu.

Darlan, conforme informações dos policiais, era usuário de drogas e a abstinência por maconha e outras drogas teria motivado o surto, depois que a avó se negou a dá dinheiro para o neto manter o vício.

Policiais da DH admitem que a versão dos colegas militares tem de ser devidamente amparada no resultado do trabalho dos peritos do IC, a fim de que não aja interpretações errôneas e punições injustas.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM